Aprender a Ver | Perspectivas da Realidade

Aprender a Ver | Perspectivas da Realidade

Nós nascemos com a capacidade de ver, mas a nossa visão nos primeiros momentos de vida é limitada. Enquanto recém-nascidos só conseguimos ver com claridade e nitidez imagens que estejam a cerca de 30 centímetros. Para lá dos 30 ou 40 centímetros somos incapazes de ver.

 

Mas conseguimos, claramente, focar a nossa visão naquilo que é mais importante nesta altura, o rosto de quem cuida e gosta de nós. E se há coisa que nós gostamos quando somos bebés é que cuidem e gostem de nós, adoramos que olhem para nós e se deliciem com a nossa simples existência.

 

À medida que crescemos, aprendemos a ver o mundo como ele é, ou assim acreditamos. E a nossa vida passa a ser um reflexo da forma como vemos o mundo, como nos vemos e como vemos os outros. Achamos que somos meramente observadores da realidade pura e crua, uma espécie de cientistas do universo que recolhem dados com a imparcialidade de um espectador desinteressado. Só que não.

 

Enquanto humanos, temos uma necessidade de extrair significado daquilo que nos acontece. Lidar com o aleatório é umas das coisas mais desafiantes para a mente humana que é uma contadora de histórias por natureza.

 

 

E não demora muito até nos aventurarmos

na arte do Storytelling.

 

 

Se o pai passa pouco tempo em casa e não brinca connosco é porque não gosta de nós. Quando os pais se divorciam é porque fomos tão mal comportados que acabaram por se fartar da confusão. Quando o primeiro namorado nos trai, é porque não somos suficientemente bonitas, não lhe chegámos. À primeira nota menos satisfatória a matemática, é porque não somos pessoas de números…. E de história em história vamos elaborando uma narrativa, à volta da qual nos construímos enquanto pessoas.

 

É claro que nem todas as narrativas nos limitam e prejudicam. Há pessoas que constroem narrativas de eficácia, força e resiliência, estas narrativas permitem-lhes ultrapassar obstáculos, arriscar e ir atrás dos seus objectivos e sonhos. Mas muitas vezes, construímos narrativas que nos aprisionam e nos impedem de viver autenticamente.

 

aprender-a-ver-III

 

É à luz das nossas narrativas que vemos o mundo. Vemos, antes de mais, através das nossas percepções, que são um agregado das nossas experiências passadas, dos nossos medos, expectativas e crenças…. A maior parte destas histórias, foram elas próprias influenciadas pelas percepções dos nossos pais, professores e pessoas significativas na nossa vida.

 

Como bons investigadores que somos, vamos andando pelos dias que fazem uma vida, à procura daquilo que nos comprova que a realidade, de facto é como a contamos (é o chamado enviesamento confirmatório). E é assim, que tantas vezes nos esquecemos de parar e questionar, se é neste ângulo que queremos viver a vida? Ou se nos atrevemos a viver com a leveza e coragem de quem se dispõe a aprender a ver?

 

Aprender a ver implica um ato contínuo de desconstrução. Um constante questionar não só daquilo que se observa, mas do observador em si. Ou seja, ao que nos leva a ver o que vemos.

 

 

Parece complexo, mas na verdade é o desembrulhar da vida.

 

 

E o primeiro passo para desembrulhar, é perceber que estamos embrenhados. É parar e dizer a nós próprios a história que eu estou a contar sobre aquilo que estou a ver é esta… Esta pausa introduz um espaço, é como se a partir daqui conseguíssemos ver na tela da nossa mente a história que estamos a criar, em vez de estarmos completamente absorvidos nela. É passarmos de actores a realizadores.

 

Daqui podemos voltar a atenção ao nosso corpo, às sensações e emoções, à forma como se manifestam no nosso sistema, e em vez de as sujeitarmos ao escrutínio do julgamento, oferecemos à nossa experiência interna a atenção, aceitação e compaixão que ela necessita. E deixamos que as histórias sejam isso mesmo, nada mais que histórias.

 

aprender-a-ver-IV

 

Aprender a ver é parar e perguntar:

•  De onde é que vem esta história?

•  Esta história pertence-me ou pertence a outra pessoa?

•  Até que ponto esta história representa a minha verdade neste momento?

•  Isto está a contribuir ou a diminuir o meu bem-estar e a minha capacidade de viver como eu quero viver?

•  E agora, quero continuar a viver esta história, ou quero escrever outra?

 

Aprender a ver é este desconstruir constante, é tirar as lentes que não nos servem, do auto-julgamento, da autocrítica, da “duvidite aguda” e pôr as lentes da atenção, da curiosidade, da aceitação e compaixão.

 

Aprender a ver é parar mais vezes. É respirar profundamente. É voltar ao que é mais sincero em nós. É voltar ao corpo, fazer as pazes com a mente e seguir a voz da coragem. É voltar ao que nos enche as horas de gratidão. Àquilo que nos liberta e encoraja a sermos autênticos, espontâneos e livres nas nossas escolhas.

 

Aprender a ver é voltar a saber que merecemos ser vistos, cuidados e amados. Mesmo. É expressar as nossas necessidades, arejar as frustrações, é partilhar sonhos e desejos. É abraçar quando se tem vontade, e chorar quando é preciso. É pedir desculpa se magoámos. É assumir quando falhámos, sabendo que não somos esse falhanço. É ir atrás daquilo que queremos e deixar para trás o que já nos fica apertado no ser.

 

 

Aprender a ver é focar no que é importante.

 

 

E desfocar do que não é para nós. É cuidar daquilo e dos que mais gostamos, e gostar que cuidem de nós.

Aprender a ver é viver desembrulhadamente. E atrevo-me a dizer, que nascemos a ver, de dentro para fora. Nascemos a ver e saber o essencial. E se calhar, viver é mais um voltar a ver de dentro aquilo que queremos cá fora. E assim nos deliciarmos com a nossa existência. Simples e bonita.

97
PERSPECTIVA
99
DESCONSTRUÇÃO
95
ACEITAÇÃO

Stay
connected

You’re less likely to catch a cold and
your brain will get sharper! ;)

Entrar

Looking
for Inspiration?

Get all the exclusive news, stories,
tips and happenings in your inbox!

By signing up, you agree to receive our
newsletter and accept our web terms of use
and privacy and cookie policy.

YOUR CHOICES
Play All Replay Playlist Replay Track Shuffle Playlist Hide picture